D. Valdeci, bispo de Brejo, e representantes das Pastorais Sociais do Maranhão. Foto: Zema Ribeiro

 

Terminou domingo passado (4) o Seminário Estadual Políticas Públicas e Direitos Humanos, realizado no Auditório Central da UFMA, com a presença de cerca de 200 pessoas de todas as regiões do Maranhão. O evento foi promovido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – Regional Nordeste 5 (CNBB/NE5), Cáritas Brasileira Regional Maranhão, Comissão Pastoral da Terra (CPT/MA), Conselho Indigenista Missionário (Cimi/MA), Pastoral da Criança e Associação de Saúde da Periferia do Maranhão (ASP/MA).

Grupos de trabalho apresentaram propostas de desdobramento de todo o conteúdo abordado no seminário. Alguns temas são urgentes, como a fiscalização do processo eleitoral municipal, a se realizar em todo o país no início de outubro.

A necessidade do fortalecimento de representações e conselhos foi destacada pelo Pe. Jean Marie Van-Damme, da ASP/MA. “É uma questão colocada desde os anos 1980 pela Igreja”, lembrou. Para ele, o filme de Murilo Santos, exibido na noite anterior, mostra muitas lutas concretas, sendo uma espécie de síntese dos problemas maranhenses, sobretudo no campo. Ele destacou a necessidade do uso do que chamou de “mídias modernas”, referindo-se ao poder de aglutinação e propagação das redes sociais, destacando seu uso principalmente pelos mais jovens.

Secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão, Ricarte Almeida Santos destacou que a luta por saúde e educação específicas para os povos indígenas não era uma luta apenas deles, mas de todos os presentes ao seminário – de que participaram indígenas Canela, Ka’apor, Awá e Guajajara.

“Há a necessidade de se continuar trabalhando denúncias e buscar compreender o que é o Matopiba [fronteira agrícola nos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia]. Há a necessidade de se construir um processo de mobilização permanente sobre o tema. Por fim, há a necessidade de reconhecermos a importância de trabalharmos em rede. Nosso trabalho é interdependente”, destacou Ricarte, dizendo-se extremamente animado com o nível das propostas apresentadas.

Celebração marcou encerramento do Seminário. Foto: Zema Ribeiro

Uma celebração comandada por D. Valdeci Santos, bispo da Diocese de Brejo e referencial das Pastorais Sociais no Maranhão, marcou o encerramento das atividades. Os presentes aprovaram uma Moção de Apoio e Resistência à Comunidade do Cajueiro, visitada pelos participantes na tarde de sábado (3).

Leia a Moção na íntegra.

No related posts.