Representantes da CNBB, Cáritas, SEIR e Rede Mandioca junto de liderança ameaçada durante coletiva de imprensa. Foto: Zema Ribeiro

Na manhã da última terça-feira (23), lideranças rurais ameaçadas de morte por um latifundiário em Codó estiveram presentes à sede da Cáritas Brasileira Regional Maranhão (Rua do Alecrim, 343, Centro), onde concederam uma coletiva de imprensa, em que expuseram a situação do conflito agrário, denúncia já realizada junto à delegacia do município de Codó, à promotoria de justiça daquela comarca e à Ouvidoria de Direitos Humanos da Secretaria de Estado dos Direitos Humanos (Sedihpop).

Acompanharam a coletiva o secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão Ricarte Almeida Santos, a assessora Lucineth Machado (representando também a Rede Mandioca), a representante da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil Regional Nordeste 5 (CNBB/NE5) Martha Bispo, o secretário extraordinário de Estado da Igualdade Racial Gerson Pinheiro e a adjunta Socorro Guterres.

Ricarte Almeida Santos lembrou o caso do líder comunitário Antonio Izídio, assassinado no município. “Lá o latifúndio não brinca. Diz que vai matar e mata mesmo! Vejam só o caso de Antonio Izídio, que deu um depoimento para um documentário que estava sendo produzido. Lá ele disse que estava sendo ameaçado de morte. Quando o documentário foi lançado, ele já tinha sido assassinado”, lembrou.

Lucineth Machado pontuou a importância da ação do Estado, mas frisou que o que realmente garante a permanência de trabalhadores na terra é sua organização e produção com quantidade e qualidade, destacando ações da Rede Mandioca, surgida há 12 anos em comunidades rurais de Vargem Grande como forma de combate ao aliciamento de pessoas ao trabalho escravo – hoje a Rede Mandioca está presente em cerca de 30 municípios do Maranhão.

Apesar de documentações provando a terra pertencer às 73 famílias que residem em São Benedito dos Colocados, em Codó, o ex-prefeito Ricardo Archer, tem ameaçado lavradores na região. “Aqui vocês não brocam. Vou lotear a terra e vender!”, ameaçou, segundo o relato de uma liderança. Outra revelou: “ele [Ricardo Archer] anda fazendo essas ameaças acompanhado de um pistoleiro, contra o qual há vários mandados de prisão expedidos, a justiça e a polícia sabem que esse homem deveria estar preso, mas ele continua solto”.

Lideranças ameaçadas acompanhadas pelo secretário executivo da Cáritas Brasileira Regional Maranhão Ricarte Almeida Santos (C). Foto: Zema Ribeiro

Para Valdivino Silva, uma das lideranças ameaçadas, “o cemitério de São Benedito dos Colocados é o que mais cresceu na região nos últimos tempos: as lideranças velhas todas já morreram, só de desgosto”, revelou, enquanto puxava a manga da própria camisa para enxugar as lágrimas.

Outra liderança, Zé Domingos lembrou que é a terceira investida do tipo sofrida pela comunidade. “Foi na década de 80, em 2004 e agora. Em 2004 Ricardo Archer era prefeito e a comunidade resistiu às investidas de um trator na área”, conta. O pretenso proprietário da área quer destinar às famílias apenas 200 hectares de terra; hoje elas ocupam 544 hectares, com certificação da Fundação Cultural Palmares (FCP), vinculada ao Ministério da Cultura (MinC).

Articulada pelo secretário Gerson Pinheiro, houve uma audiência das lideranças com o secretário de Estado de Segurança Pública Jefferson Portela, na sede da Secretaria. Participaram da conversa, além das lideranças ameaçadas e autoridades presentes à coletiva, o secretário adjunto de Estado dos Direitos Humanos Jonata Galvão, o delegado agrário Agnaldo Timóteo, além de representantes do Instituto de Terras do Maranhão (Iterma) e da Secretaria Extraordinária de Estado de Igualdade Racial (Seir).

As lideranças ameaçadas prestaram queixa e na próxima segunda-feira (29), na sede da SSP, será realizada uma reunião suprainstitucional para tratar do caso. O secretário Jefferson Portela anunciou que visitará pessoalmente a área. Jonata Galvão informou que a Sedihpop solicitará a inclusão dos ameaçados no Programa de Proteção a Defensores e Defensoras de Direitos Humanos.

No related posts.