25 de setembro, 7h30min. Populares vão chegando de diversas comunidades do interior do município de Vargem Grande para a concentração no Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade. De moto, bicicleta, van, a pé. O dia estava só começando e o burburinho já começava a tomar conta da cidade.

A cena é meio inusitada, pois no calor da corrida eleitoral, ajuntamento de pessoas só acontece para formar público para as carreatas, passeatas e comícios específicos dos candidatos. Dessa vez também seria diferente porque a organização daquela movimentação toda contava com a presença dos três candidatos a prefeito da cidade no tal comício, afinal todos haviam sido convidados. Embora não se tivesse certeza de que os três compareceriam.

A multidão se reúne em plenária no pequeno auditório do sindicato para definição das estratégias do evento. Em seguida todos os manifestantes saem caminhando pelas ruas conduzindo faixas pretas e levando à sua frente as bandeiras coloridas do Estado do Maranhão e do Brasil, animados por palavras de ordem como “candidato que não assina carta-compromisso não tem o meu voto de confiança!!”.

Mulheres, homens, crianças e idosos perfilavam na caminhada. Sob um sol já escaldante, por onde a caminhada passava se ouvem as indagações: “E o que é isso aí, agora?” Outro popular responde: “Deve ser greve de fome, pois eles tão carregando umas faixas pretas!!” E seguem-se os risos.

Indiferente aos comentários negativos, a caminhada segue, e outros vão se juntando à fileira, quando por fim se concentra na Praça da Matriz, debaixo das barbas do padroeiro da cidade, o São Raimundo dos Mulundus. E ali, cerca de 20 lideranças populares, uma a uma, se pronunciam falando das necessidades e das demandas de suas comunidades. A plateia ouve e se manifesta aqui e ali aplaudindo quando sente que a fala daquela liderança representa seus anseios e suas angústias. Compondo a plateia, os três candidatos a prefeito e seus respectivos grupos de apoiadores.

Um assessor do prefeito fica incomodado com as críticas de um popular sobre a atual gestão municipal: “bairros onde a água nunca chega e a população não dorme esperando o fio de água da madrugada vir pela torneira”, “escola que não tem aula regular”, “a estrada prometida que nunca foi feita, mesmo com a luta da associação há mais de nove anos”, “ a falta de atendimento médico na própria cidade, levando os moradores a serem humilhados em cidades ou até em estado vizinhos”, o rosário de ausências de políticas públicas vai sendo desfiado pelos populares. E o tal assessor exige direito de resposta. Os organizadores, lideranças das Redes e Fóruns de Cidadania do Maranhão e representantes da Cáritas do Maranhão e da Diocesana de Coroatá, entidades parceiras animadoras do processo, são categóricos: “Aqui vocês vieram para ouvir a população, aqui é o espaço do povo falar.”

Depois das falas das lideranças populares, a de um dos organizadores do evento ressoa na praça: “Aqui estão os três candidatos a prefeito desta cidade. E aqui temos uma carta-compromisso que foi elaborada com a participação do povo, após ouvirmos as demandas de diversas comunidades. E vocês, enquanto candidatos a prestar um serviço a população, foram convidados para assinar a carta em praça pública. Se vocês assinarem, teremos aqui o testemunho de diversas representações da sociedade civil deste município que irão cobrar de vocês, depois da eleição, os compromissos de público assumidos; e se vocês não assinarem, todos já saberão, de antemão que o candidato não tem compromisso com as necessidades da população”.

Cada candidato teve três minutos de fala para dizer se assinava ou não o documento e o porquê. Todos assinaram. O ato foi fotografado e registrado pelas câmeras fotográficas e dos celulares dos diversos populares presentes ao evento, que encerrou ao meio-dia. Dali, outras caravanas seguiram para repetir a movimentação em outras cidades vizinhas ainda naquele mesmo dia: Presidente Vargas e Vitorino Freire. Soube-se que na primeira nem todos os candidatos a prefeito compareceram; na segunda os que compareceram só assinaram por conta da forte pressão popular feita pelos próprios correligionários presentes.

Este foi um dos Comícios da Cidadania. Iniciativas como essa foram realizadas simultaneamente em cerca de 30 municípios maranhenses até o último dia 28 de setembro, na fervura do processo eleitoral. Durante o evento, os candidatos a prefeitos foram convidados para ouvir as demandas e reclames da população e a assinarem a Carta Compromisso contendo os princípios gerais da administração pública e as demandas específicas de cada região a serem
inegociavelmente cumpridas por quem assumir o mandato a partir do dia 1º. de janeiro de 2013 (o documento foi distribuído em outros municípios e ganhou anexos em Lago do Junco e Lago dos Rodrigues).

Os Comícios da Cidadania têm o apoio da Cáritas do Maranhão e a articulação das Redes e Fóruns de Cidadania em parceria com as Cáritas Diocesanas das regiões onde são realizados.

Em Vargem Grande, participaram mais de 300 pessoas, com uma forte representação de comunidades da área rural e de outras centenas de populares da sede do município.

No related posts.